|

Situação nos aeroportos melhora; 10% dos voos registram atrasos em todo o País; Greve de aeroviários ainda não provoca grandes atrasos em voos



Solange Spigliatti .

SÃO PAULO - Cerca de 10% dos voos domésticos programados para decolar em todo o País até as 10 horas desta sexta-feira, 23, registraram atrasos de mais de meia hora, segundo boletim da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Do total de 911 previstos para o período, 89 (9,8%) registraram alteração de horário. Outros 20 (2,2%) estavam atrasos no período entre 9h e 10h e 27 (3%) foram cancelados.

Em São Paulo, Congonhas registrava quatro voos atrasados e cinco cancelamentos, entre os 62 programados. No Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, cinco voos foram cancelados e sete estavam atrasados entre os 81 previstos para o período.

Atrasos

Segundo a Secretaria de Aviação Civil, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o número de atrasos nos aeroportos administrados pela Infraero nesta quinta-feira foi 40% inferior ao mesmo dia da semana neste período em 2010. Durante a manhã de ontem, o Aeroporto de Congonhas registrou atrasos em metade dos voos previstos.

Até as 17h30, das 2.191 partidas programadas nos 66 aeroportos da Rede, 23,04% registraram atrasos superiores a 30 minutos. Esse índice é inferior ao contabilizado em 2010, quando 38,01% das 2.031 partidas programadas sofreram atrasos superiores a 30 minutos na quinta-feira que antecedeu o feriado.

Fonte:

---

Greve de aeroviários ainda não provoca grandes atrasos em voos

A greve anunciada por sindicatos de aeroviários --funcionários das companhias aéreas que trabalham no solo-- em aeroportos de cinco Estados ainda não provocou atrasos e cancelamentos em massa na manhã desta sexta-feira.

Procon pode multar Gol e TAM em até R$ 6 mi
Infraero monta esquema para turistas em SC

Segundo balanço da Infraero (estatal que administra os aeroportos), o país todo registrou atrasos acima de 30 minutos em menos de 10% dos voos da 0h às 10h.

Em alguns dos aeroportos onde a greve foi anunciada --Rio, Brasília, Salvador, Belo Horizonte e Fortaleza-- os atrasos estão um pouco acima disso, mas o movimento de passageiros é normal.

Aeroporto Voos programados até 10h Atrasados Cancelados
Brasília 51 8 (15,7%) 0 (0%)
Fortaleza 35 4 (11,4%) 1 (2,9%)
Belo Horizonte (Pampulha) 12 3 (25%) 1 (8,3%)
Belo Horizonte (Tancredo Neves) 49 5 (10,2%) 0 (0%)
Rio de Janeiro (Galeão) 51 6 (11,8%) 1 (2%)
Rio de Janeiro (Santos Dumont) 49 0 (0%) 3 (6,1%)
Salvador 53 5 (9,4%) 1 (1,9%)
Brasil 911 89 (9,8%) 27 (3%)

GREVE

Em reunião na tarde desta quinta-feira (22), os aeroviários não aceitaram a última proposta do Snea (Sindicato Nacional das Empresas Aéreas) e anunciaram a greve.

A proposta do Snea era de reajuste salarial de 6,5%. O SNA (Sindicato Nacional dos Aeroviários) pede aumento de 10%. Mas o secretário geral do SNA, Marcelo Schmidt, disse que o sindicato vai respeitar a decisão do TST (Tribunal Superior do Trabalho) que determinou a manutenção de 80% dos aeroviários em suas funções.


Editoria de Arte/Folhapress

Em São Paulo, o sindicato dos aeroviários de Guarulhos, que representa os trabalhadores do aeroporto de Cumbica, decidiu pelo acordo e descartou a greve.

Já a situação dos aeroviários de Congonhas e do Campo de Marte, representados pelo Sindicato dos Aeroviários no Estado de São Paulo, ligado à Força Sindical, ainda está indefinida. Uma reunião no TRT (Tribunal Regional do Trabalho) de São Paulo, entre este sindicato e o Snea terminou sem acordo ontem.

Mas o TRT também decidiu que, caso a greve aconteça, 80% dos trabalhadores devem estar a postos nos dias 23, 24, 29, 30 e 31, para atender à movimentação de Natal e Ano Novo. Caso a determinação não seja cumprida, a multa diária é de R$ 100 mil, idêntica à determinada pelo TST.

Não há unidade nacional na categoria, por isso cada negociação é feita separadamente com o sindicato patronal. O mesmo motivo provoca situações em que greves são anunciadas em alguns locais e em outros não.

A entidade que representa os trabalhadores que atuam dentro dos aviões, como pilotos e comissários, o Sina (Sindicato Nacional dos Aeronautas) aceitou a proposta feita pelas empresas aéreas, de reajuste de 6,5%, e suspendeu a greve da categoria.

Fonte:

Foto: Andomenda










The Manhattan Reporter

Arquivo

Labels / marcadores