|

Azul faz seu plano internacional de voo



No ano que vem, a companhia aérea fundada por David Neeleman inaugura a rota para Punta Del Este, no Uruguai, e planeja outros destinos de longa distância .

A Azul Linhas Aéreas vai internacionalizar suas operações em 2012. O fundador da companhia, David Neeleman, afirmou com exclusividade ao Brasil Econômico que a empresa estreia nos céus estrangeiros voando para Punta Del Leste, no Uruguai. A data de início da nova rota ainda não foi definida.

Além disso, o comandante da Azul revelou planos de abrir novas empresas no país e afirmou que pretende investir na concessão do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

Quarta empresa aérea fundada por Neeleman, a Azul completa três anos no próximo dia 15 com a marca de 15 milhões de passageiros transportados no país. Neste período, a aérea conseguiu conquistar 10% do mercado brasileiro, ocupando a terceira posição de mercado, atrás de Tam e Gol.

Para dar continuidade à rápida evolução, Neeleman afirmou que vai ampliar a estratégia de transporte regional para a América do Sul.

"Por enquanto vamos voar por perto. Ainda não temos equipamento para voos internacionais mais longos, mas vamos receber cinco novos jatos da Embraer até 2015" [sic] , disse o executivo, dando pista de que pode ampliar o número de rotas estrangeiras para destinos mais distantes futuramente.

Os jatos Embraer 195, encomendados pela Azul, têm autonomia de voo de cerca de 4 mil quilômetros, suficientes para alcançar vários destinos na América do Sul.

Transporte regional

Além dos planos de internacionalização da empresa, Neeleman espera que a estratégia de transporte regional renda um aumento de 25% no faturamento da companhia em 2012 - ano em que a Azul deve transportar 10 milhões de clientes e atingir a marca de 25 milhões de passageiros desde sua fundação.

Para isso, a empresa aumentará a frota e o número de destinos no próximo ano. O total de equipamentos passa de 49 para 63 aviões, e as rotas devem chegar a 60, uma alta de 42,8% em comparação aos 42 destinos operados atualmente. Somente em 2011, a Azul inaugurou 14 rotas - a mais recente foi Caldas Novas (GO), na semana passada.

Neeleman garantiu que a capilaridade é fundamental para seu negócio. "Há muita gente querendo voar, precisamos chegar até esses locais e resgatar esses passageiros", disse. Essas pessoas são as que usam o sistema rodoviário para se locomover entre estados.

Segundo o executivo, o preço não vai ser agente limitador para esses clientes em potencial. "Temos passagens com preço de bilhete de ônibus. É só comprar com antecedência", disse Neeleman, que deseja fomentar o hábito de voar nos brasileiros.

De acordo com o empresário, atualmente cerca de 150 milhões de brasileiros têm condições de viajar de avião e 85% dos passageiros da companhia estão voando pela primeira vez. "A fase é muito boa", disse.

O aumento do poder aquisitivo da população enche os olhos do empresário que, além de investir para angariar passageiros, pensa em novos negócios no país. "Estou estudando algumas coisas", dispara Neeleman.

"Há muitas formas de ganhar dinheiro no Brasil e pode ser que eu invista em outras empresas por aqui", disse o executivo sem revelar o nicho de negócio onde prevê destinar capital, mas afirmando que estuda atuar fora da área de aviação.

Viracopos

Enquanto não decide o rumo de seus novos investimentos, o fundador da Azul planeja uma oferta para participar da concessão do Aeroporto de Viracopos, em Campinas - onde fica o centro das operações da companhia.

O edital de concessão de aeroportos limita o investimento de companhias aéreas a 1%. Tam e Gol já disseram que não estão interessadas na licitação. "Nós queremos este 1%. Queremos investir na nossa casa", disse o executivo.

Fonte: Brasil Economico











The Manhattan Reporter

Arquivo

Labels / marcadores